NAMORADO ERRADO

Uma queridíssima amiga teve um breve relacionamento com um rapaz chamado Pedro. Entre suas características mais marcantes e visíveis: o cabelo. Quando o conheci, eu não conseguia fixar a atenção em outra coisa. Pensem em um cabelo feio. Muito feio. Horroroso. Pavoroso. Não bastasse ser um cabelo ruim, mal cuidado, Pedro insistia em usá-lo comprido,Continuar lendo “NAMORADO ERRADO”

NIEPIŚMIENNY

Não, não tem nada de errado com o título deste texto. É isso mesmo: niepiśmienny, que significa “analfabeta” em Polonês (pelo menos segundo o tradutor do Google), que foi exatamente como eu me senti nos poucos dias em que estive na encantadora Varsóvia, capital da Polônia. A situação é muito semelhante ao que acontece noContinuar lendo “NIEPIŚMIENNY”

PEDERASTA

A Língua Portuguesa é riquíssima. Dificílima (condoo-me com os forasteiros que se aventuram a aprendê-la), mas ainda assim riquíssima. Rápida pesquisa no Google sobre quantas palavras existem na Língua Portuguesa dá respostas divergentes, a depender do dicionário pesquisado: 306.949 verbetes, 208.104 entradas lexicais, 211.732 vocábulos,…. Seja qual for o número, fato é que é grande.Continuar lendo “PEDERASTA”

CRONICLÉR

Brasileiro adora estrangeirismo. Os cartórios estão repletos de certidões de nascimento com o registro da infindável criatividade nacional, que muitas vezes não se atenta aos perigos da sonoridade do nome escolhido. Li em um artigo alguns exemplos, retirados inclusive da jurisprudência dos Tribunais, como Kumio Tanaka e Sum Tin An. Outras histórias não sei informarContinuar lendo “CRONICLÉR”

QUANDO A MÃE SE PRECIPITA…

Mãe, o que é baseado? A xícara de café que quase alcançava a boca sedenta pela aromática bebida tremeu perigosamente; a mãe engasgou, pigarreou, corou. – O que é o quê, meu filho? – Baseado – Então…. é… baseado… baseado é um cigarro que faz muito mal pra saúde. – Um cigarro, mãe? – É.Continuar lendo “QUANDO A MÃE SE PRECIPITA…”

NÃO SOU ILMA

Saio para atender a campainha e deparo-me com a kombi de uma floricultura estacionada defronte ao portão. Com um volumoso buquê de flores do campo nos braços, o entregador anuncia a destinatária: “Encomenda para a Sra. Ilma”. Frustrada por não ser eu a destinatária de tão belos exemplares da flora, informo: “Moço, não é aqui”.Continuar lendo “NÃO SOU ILMA”

40

Uma de minhas melhores amigas, quando estava há poucos meses de completar 40 anos, pirou. “Não quero festa, não quero ver ninguém”. “Mas por quê?”, perguntei sem compreender absolutamente nada. “Porque vou fazer 40 anos”, tentou ela a título de explicação. “Descasquei” a coitada. Aquilo não fazia sentido nenhum. NENHUM. Qual era a diferença? 38,Continuar lendo “40”

SOBRE ELOGIOS: O QUE VALE É A INTENÇÃO

Existem muitos elogios que extrapolam os tradicionais (bonita, inteligente, elegante,…) e os vulgares (gostosa, filé, ô lá em casa…). Recebi quatro – nem tradicionais nem vulgares – que foram marcantes, tanto que não os esqueci e agora posso contá-los. O primeiro foi em um feriado prolongado, quando fui convidada para viajar a uma cidadezinha doContinuar lendo “SOBRE ELOGIOS: O QUE VALE É A INTENÇÃO”